Filie-se ao pt

Notícias

COMISSÃO EXTRAORDINÁRIA VAI A VESPASIANO PELA PRIMEIRA VEZ E COBRA PROVIDÊNCIAS DA CÂMARA MUNICIPAL PARA APURAR VIOLÊNCIA SOFRIDA POR UMA DAS VEREADORAS DA CIDADE

Na última terça-feira (03), a Comissão Extraordinária de Mulheres, presidida pela deputada Marília Campos (PT), esteve em Vespasiano para debater sobre a luta das mulheres contra a violência, discriminação e desigualdades. A reunião foi um pedido de Marília Campos, após receber denúncia da vereadora Luciene Fonseca (PPS), que foi vítima de agressões físicas e verbais por colegas dentro da Câmara Municipal de Vespasiano. Durante a reunião, que teve ampla participação da comunidade local, foi feito um requerimento exigindo da presidência da Câmara, que o caso seja apurado e que todas as providências tomadas sejam informadas à Comissão. 

O caso em questão trata de trata de violência a uma mulher enquanto exercia o seu papel político, o que para a deputada Marília Campos, ressalta ainda mais a hostilidade deste ambiente para as mulheres. "Em uníssono, falamos que é preciso que as mulheres ocupem, cada vez mais, os espaços da política e de poder. Falamos também sobre a importância de um debate e de políticas que combatam a violência e a discriminação contra todas as mulheres". 

Foi uma audiência bastante representativa, com a participação de ampla representação feminina, como a prefeita Ilce Rocha, a vice-prefeita, Bete Viana, e secretárias municipais. Estiveram presentes também a Superintendente do Consórcio Mulheres das Gerais, Ermelinda Ireno, o presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-MG, Willian Santos, a Secretária de Desenvolvimento Social e Habitação de Contagem, Luzia Ferreira, vários vereadores prestando apoio a Luciene e os deputados Geraldo Pimenta e Fabiano Tolentino.

Ao fim da audiência, Marília reafirmou a importância da existência da Comissão e da sua transformação em Comissão Permanente. Há, atualmente um projeto de lei que a transforma em permanente. Ele já foi aprovado em primeiro turno e aguarda votação em segundo. "A comissão é um espaço destinado a estes debates e a receber denúncias e demandas de todas as mulheres mineiras. Estamos juntas com Luciene e com todas as outras mulheres vítimas de qualquer tipo de preconceito, violência ou discriminação", finaliza.